Secretaria da Educação do Estado mobiliza estudantes para o ENEM

A Secretaria da Educação do Estado está desenvolvendo uma série de atividade de mobilização dos estudantes para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), por meio da campanha ENEM 100%. O objetivo é auxiliar os estudantes neste planejamento para o desafio que marca a conclusão da Educação Básica e o ingresso no Ensino Superior. Uma das ações neste sentido é a emissão do CPF e do RG, documentos necessários para a realização das provas, em uma parceria com as Secretarias de Segurança Pública (SSP) e de Administração do Estado (SEAB).
A emissão dos documentos está sendo programada para o mês de maio. Mas outras iniciativas já estão sendo desenvolvidas. Neste momento, técnicos da Secretaria da Educação estão visitando as escolas para dialogar com gestores, professores e estudantes sobre a necessidade de atualização de dados do RG e do CPF no Sistema de Gestão Escolar (SGE), justamente para levantar o quantitativo de alunos que ainda não têm os documentos.
“A maioria dos nossos estudantes do Ensino Médio não possuem CPF lançado no SGE. Por isto, esta mobilização para que os dados sejam lançados no sistema. A partir desta atualização, passaremos, nas primeiras semanas de maio, à campanha da emissão de CPF e RG, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) e Secretaria de Administração do Estado (SEAB), priorizando cotas de gratuidade para os estudantes residentes em localidades de maior dificuldade de acesso à emissão destes documentos”, afirmou o superintendente de Políticas para a Educação Básica da Secretaria da Educação do Estado, Ney Campello.
No Colégio Estadual David Mendes Pereira, no bairro de Pau da Lima, em Salvador, já foi feito o levantamento dos alunos que ainda não têm RG e CPF, constatando que cerca de 20% dos quase 600 alunos que cursam o 3º ano ainda não têm estes documentos. “Já estamos divulgando para os estudantes a necessidade de tirar esses documentos e sensibilizando-os para as provas no ENEM”, afirma a vice-diretora Fábia Melo.
Os estudantes Lauíne Santana, 20 anos, e Alan Moreira, 19 anos, ambos do 3º ano no David Mendes, já possuem os respectivos documentos, mas pretendem ajudar na campanha para que os colegas que ainda não os possuem se conscientizem da importância de providenciá-los. “Fazer o ENEM é abrir a possibilidade de entrar para o Ensino Superior com o objetivo de obter sucesso profissional futuramente. Mas, para se inscrever, é preciso estar com a documentação exigida nas mãos. Daí, acho muito importante a campanha do ENEM 100%”, opina Lauíne. Alan também faz as suas considerações: “Todos querem entrar na universidade e o ENEM é um caminho. Mas sem documentos não é possível realizar a inscrição”.
O ENEM 100% também compreende ações como a sensibilização para a inscrição no ENEM, cujo período é de 8 a 19 de maio; fortalecimento das aprendizagens; oficinas de redação, aulões das diferentes áreas do conhecimento e simulados. No David Mendes, por exemplo, a partir de setembro, começa mais uma edição do projeto “Se Ligue no Enem”. “A niciativa, realizada desde 2013, visa estimular os estudos dos alunos do 3º ano no seu processo de preparação para as provas. O projeto envolve aulões, aos sábados, ministradas por professores de instituições superiores de ensino, além de oficinas e palestras motivacionais.
Portal da Educação
Para auxiliar os estudantes na preparação para o ENEM, além das salas de aula, a Secretaria da Educação do Estado disponibiliza mais de quatro mil conteúdos digitais educacionais no Ambiente Educacional Web. São conteúdos de todas as disciplinas das áreas de conhecimento, inclusive vídeoaulas, e de todos os níveis de ensino, produzidos e/ou catalogados por educadores da Rede Anísio Teixeira.

Educadores discutem avanços da Educação Integral na rede estadual

A Secretaria da Educação do Estado está ampliando a oferta da Educação em Tempo Integral na rede estadual de ensino. Neste ano letivo, 93 escolas já ofertam a modalidade, beneficiando 21.093 mil estudantes de 46 municípios. Com o objetivo de discutir os avanços do Programa de Educação Integral (PROEI), potencializar as ações do programa e fortalecer a relação da escola com as famílias e a comunidade, a Secretaria da Educação do Estado promove o 1º Encontro Formativo, iniciado nesta terça-feira (25), com atividades até hoje,   quarta (26), no auditório do Museu de Arte da Bahia, em Salvador.
As escolas inseridas no PROEI têm um projeto pedagógico que leva em consideração a formação humana e integral dos estudantes, preparando-os para a vida a partir de experiências educativas, científicas, artísticas, culturais e esportivas. Nesta terça (25), o superintendente de Políticas para o Desenvolvimento da Educação Básica da Secretaria da Educação, Ney Campelo, destacou o diferencial da Educação em Tempo Integral. “Temos experiências riquíssimas na Educação Integral. E pensar em Educação Integral é pensar na missão essencial, que é a formação integral do estudante; é pensar em Arte-Educação como um passo fundamental para a melhoria da Educação”.
Para o vice-diretor do Colégio Estadual Juiz Farias Góes, em Feira de Santana, Felipe Abreu, a experiência da Educação Integral estreita o contato com os estudantes, contribuindo para o processo de ensino e aprendizagem. “Foi com a Educação Integral que quebramos as distâncias entre gestão e alunos, e isto significa uma maior aproximação nossa do universo estudantil. Assim, compreendendo o universo particular do aluno, passamos a não dar ordens e sim encaminhamentos, gerando um diálogo importante e necessário para o processo educacional”.
Foto: Claudionor Junior/Secretaria da Educação
(Foto: Claudionor Junior/Secretaria da Educação)
No encontro, o ex-aluno do Colégio Estadual Ypiranga, Bruno Oliveira, hoje funcionário da unidade escolar e estudante universitário de História, depôs com entusiasmo sobre a Política de Educação Integral do Estado. “Sou fruto da Educação Integral. Falar desta modalidade é falar do Ypiranga, onde cheguei aos dez anos e conclui o Ensino Médio em 2015, aos 17 anos. Mas fui logo convidado para continuar na escola para ajudar nas atividades integrais. Foi a partir daí que me apaixonei ainda mais pela Educação Integral por entender que é uma forma de aproximar mais aluno e professor e, consequentemente, melhorar o processo de ensino e aprendizagem”.
 O Núcleo Territorial de Educação – NTE 05 está representado nesse evento pelos professores- articuladores das seguintes escolas: Astor Vieira Junior do Colégio Estadual Fábio Araripe de Ilhéus, Mario Bastos do Modelo de Ilhéus, Marlise Pires de Oliveira, Colégio Médici de Itabuna e Luliana Santos Oliveira e Josete Ferreira Nunes , do Colégio Sá Pereira de Ilhéus.
Fonte: Ascom/Secretaria da Educação

Ouvidoria da Educação realiza formação com técnicos dos Núcleos Territoriais

projeto dengue 050

Técnicos dos Núcleos Territoriais de Educação (NTE) estão participando, nestas terça e quarta-feira (25 e 26/07), de encontro formativo promovido pela Ouvidoria da Educação em parceria com a Ouvidoria Geral do Estado (OGE). A atividade, que acontece no Instituto Anísio Teixeira (IAT), em Salvador, tem o objetivo de debater a Ouvidoria como instrumento de participação social e as principais atividades do órgão, que visa aperfeiçoar o atendimento prestado à população em todo o Estado.

O subsecretário da Educação, Nildon Pitombo, falou sobre a importância deste instrumento de aproximação do Estado da sociedade. “A nossa expectativa como educadores é trabalharmos no sentido pedagógico, educando o cidadão para a importância do exercício da cidadania através da instrumentalização da Ouvidoria como ferramenta de participação e controle social. Por isso, devemos estar preparados e munidos de conhecimento para evitarmos os ‘denuncismos’ e para prestarmos o melhor serviço”, afirmou.

Segundo o Ouvidor da Educação, Francisco Neto, o encontro serve também para a troca de experiências e para intensificar ações que popularizem o órgão. “Além do atendimento, temos o acesso direto às escolas por meio do projeto ‘Ouvidoria Vai à Escola’, que promove atividades para incentivar gestores, estudantes, funcionários e professores a conhecerem e procurarem o nosso trabalho. A Ouvidoria da Educação também é a responsável pela gestão da Lei de Acesso à Informação, por isso temos que estar preparados para utilizá-la e disseminá-la como processo democrático do País”.

A assessora técnica da OGE, Juçara Gonçalves Reis, destacou o papel do órgão neste atendimento ao público. “Estamos em primeiro lugar em eficácia no atendimento passivo e isso está ligado a uma boa parceria com todos os órgãos na procura da melhor resposta. Por isso, é importante que os técnicos do NTE procurem a sede da Secretária da Educação sempre que tiverem dúvidas sobre os procedimentos. Ainda lembrando, que o direito de acesso à informação é constitucional e vem cada vez mais se aprimorando”, ressaltou.

Para a técnica da Ouvidoria da Educação, Francineide Braga, do Núcleo Territorial de Educação de Juazeiro (NTE-10), “o trabalho realizado nos diversos cantos do Estado promove uma verdadeira gestão democrática. Acredito que estamos conseguindo aproximar a comunidade escolar e esse encontro acaba nos auxiliando a adquirir conhecimento e a trocar experiências com os colegas”, disse.

Participaram da abertura do encontro o diretor Geral do IAT, Severiano Alves, e o coordenador de Articulação dos Núcleos Territoriais de Educação (CONTE), José Barreto Bittencourt.

Secretaria da Educação convoca coordenadores pedagógicos para atuação nas escolas

walter-pinheiro

Com o objetivo de fortalecer o eixo pedagógico nas escolas, a Secretaria da Educação do Estado está convocando os coordenadores pedagógicos que estão fora das escolas para retornar às unidades escolares. A decisão foi publicada no Diário Oficial da sexta-feira (21) e faz parte das ações adotadas pela Secretaria para a implantação de uma coordenação pedagógica em cada colégio da rede, até o final de 2017.“Precisamos cuidar do professor e do mais importante a ser alcançado que é o estudante. A Tecnologia é importante, mas é ferramenta, é acessório. Já a pedagogia não pode ser uma agenda, um livro, um papel. Toda escola com coordenação pedagógica, como propulsor de transformação, é o desafio pautado para toda a Secretaria da Educação, que se coloca como ferramenta, como apoio”, destaca o secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro.De acordo com a Portaria nº 2675/2017, todos os coordenadores pedagógicos que estejam atuando fora da unidade escolar, com exceção para os educadores investidos em cargo de comissão, devem formalizar requerimento de remoção até o dia 3 de maio, manifestando opções pelas escolas disponíveis e indicadas pela Secretaria para a atuação. Os coordenadores pedagógicos devem protocolar o requerimento na sede do Núcleo Territorial de Educação (NTE) de seu exercício, onde indicará três unidades e os municípios de interesse para a remoção.

Para os preenchimentos das vagas serão observados critérios de classificação presentes na Portaria nº 2675/2017. É importante ressaltar que a remoção independe de autorização ou conhecimento do superior hierárquico da unidade e os casos de omissão serão resolvidos pela Superintendência de Recursos Humanos da Secretaria da Educação do Estado.

Escolas podem aderir aos projetos de Saúde e Educação Ambiental até 28 de abril

As escolas estaduais podem fazer a adesão aos projetos estruturantes ‘Juventude em Ação’ (JA) e ‘Saúde nas Escolas: Promovendo a Educação para a Saúde e a Qualidade de Vida’, desenvolvidos pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia, até o dia 28 de abril. Para participar, os gestores devem preencher os formulários disponíveis nos links acima.
Ao aderir aos projetos, a comunidade escolar está apta a realizar as atividades propostas, todas voltadas à Educação Ambiental e à promoção da saúde e prevenção de doenças e situações de agravo, visando uma integração entre escola e a comunidade local. “Através dos projetos, são realizadas ações de mobilização, articulação e organização da comunidade escolar, promovendo, em particular, o protagonismo estudantil, conforme orientação do Programa Educar para Transformar, em consonância com as políticas públicas de Educação e Saúde”, ressalta o coordenador da Educação Ambiental da Secretaria da Educação, Fábio Barbosa.
Em 2016, primeiro ano do projeto Saúde na Escola, 462 unidades escolares localizadas em 214 municípios presentes nos 27 territórios de Identidade aderiram à proposta, atendendo um total de 288.492 estudantes. A proposta do Saúde na Escola é promover a aproximação da unidade escolar com a unidade básica de Saúde do município envolvido e a comunidade local. Na primeira etapa, os estudantes fazem um diagnóstico junto aos moradores para verificar quais as doenças que acometem a população e, a partir daí, partem para o plano de ação, visando conscientizá-la para a prevenção e o combate daquelas patologias.
Entre as ações interdisciplinares, destaque para o combate ao mosquito Aedes aegypti. Palestras, caminhadas de conscientização, visita às casas dos moradores locais, e distribuição de materiais educativos e informativos, entre outras atividades, foram desenvolvidas ao longo do ano letivo. Outra ação do Saúde na Escola foi a terceira edição do Concurso de Vídeos Educativos Saúde na Escola, realizado para promover a reflexão sobre a temática entre os estudantes e professores. Ao final do concurso, realizado em abril do ano passado, foram selecionados seis vídeos, sobre os temas: prevenção às DST/AIDS; prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus; prevenção ao uso de álcool, tabaco e outras drogas; promoção à cultura da paz; promoção à alimentação saudável; e promoção à saúde ambiental e ao desenvolvimento sustentável.
Protagonismo estudantil
O Juventude em Ação, por sua vez, visa promover a formação de Comissões de Meio Ambiente e Qualidade de Vida (COM-VIDA) para a elaboração da Agenda 21 nas comunidades escolares da rede estadual, com base em valores voltados à sustentabilidade ambiental. Em 2016, 772 escolas da rede aderiram ao projeto, envolvendo 487.721 mil estudantes de 327 municípios baianos.
Dentro do Juventude de Ação, uma série de projetos foram desenvolvidos pelas escolas da rede estadual. No Centro Educacional Monteiro Lobato, no município de Firmino Alves, no Sul Baiano, por exemplo, os estudantes desenvolveram o projeto Ambiente escolar: somente suas mãos para preservar, através do qual promoveram ações de conscientização de práticas saudáveis e sustentáveis, dentro e fora da escola, para a conservação do meio ambiente.
Economia dos recursos naturais através do armazenamento da água da chuva; implementação de alimentos orgânicos na alimentação escolar; valorização dos espaços ociosos com práticas de jardinagem; redução da quantidade de lixo com o reaproveitamento de embalagens e resíduos orgânicos na produção de adubos foram alguns resultados alcançados. “Na minha casa, mudamos de atitudes depois que conheci as práticas da implementação da horta escolar. Hoje, junto com meu pai, aproveito todos os espaços do nosso quintal para o plantio de hortaliças”, conta o estudante Emerson Silva, 2º ano, do Centro Educacional Monteiro Lobato.

Estudantes celebram a cultura e as tradições dos povos indígenas

fotos atuais 094

As escolas indígenas da rede estadual de ensino da Bahia realizam ações alusivas ao Dia do Índio, comemorado nesta quarta-feira (19). Com uma programação voltada para a valorização dos saberes, da cultura e das tradições dos povos indígenas, os estudantes das 26 unidades escolares indígenas da rede estadual participam de atividades culturais e jogos. Atualmente, a rede atende a 6.345 estudantes indígenas, de 16 etnias de 134 comunidades, com escolas em 14 municípios baianos.No Colégio Estadual Capitão Francisco Rodelas, na Aldeia Tuxá, no município de Rodelas, o dia está sendo marcado pela culminância do projeto anual da Feira Cultural que, desta vez, traz como tema a sustentabilidade e as belezas do Rio São Francisco, considerado o opará (divindade dos rios e das cachoeiras) dos povos indígenas. “Nosso objetivo com a documentação e pesquisa sobre as vivências culturais do povo Tuxá e a sua relação com o Velho Chico, bem como as discussões sobre sustentabilidade, é o de afirmar e valorizar a cultura e a identidade Tuxá, conscientizando as comunidades escolar e local sobre a importância do rio para o nosso povo”, explica a diretora Mayra Apako Tuxá.Já no Colégio Estadual Indígena José Zacarias, na aldeia Kiriri Pau Ferro, no município de Banzaê, os estudantes participam de atividades desde às 5h da manhã, com uma programação cultural de suas tradições que prossegue até às 22h30. No Colégio Estadual Indígena de Corumbazinho, no município de Prado, a comunidade escolar realiza ações esportivas, com a participação de outras unidades, como a Escola Estadual Indígena Aksã Pataxó e os colégios estaduais indígena Bom Jesus, 25 de Julho e Tawá.

O coordenador da Educação Indígena da Secretaria da Educação do Estado, Rafael Barbalho, ressalta os avanços que vêm acontecendo na Educação Indígena da rede estadual, a exemplo da oficialização das escolas indígenas, a implantação da categoria de professor indígena, a gestão escolar formada pelos próprios indígenas e a formação continuada. “Trata-se de uma Educação específica e diferenciada, garantida pela Constituição. Temos, na Bahia, a oficialização das escolas indígenas, que têm seu ordenamento jurídico próprio, o que significa autonomia para organizar o seu próprio calendário e suas ações pedagógicas”, afirma.

Rafael destaca ainda que, no momento, está sendo realizada a terceira etapa da formação dos professores efetivos das escolas indígenas, sendo no total cinco etapas. No início de julho, a Secretaria da Educação irá ofertar formação continuada para os professores indígenas nas áreas de Linguagem e Matemática.

Educação Indígena

A Educação Escolar Indígena na Bahia é respaldada em um processo de constituição e fortalecimento de uma educação específica, intercultural, diferenciada e de qualidade, respondendo às necessidades educacionais e às especificidades socioculturais dos 16 grupos étnicos que têm a oferta da Educação Indígena: Atikum, Kaimbé, Kantaruré, Kariri-Xocó, Kiriri, Payayá, Pankararé, Pankarú, Pataxó Hãhãhãe, Pataxó, Truká, Tumbalalá, Tupinambá, Tuxá, Xacriabá e Xukuru-Kariri.

Mais de 35 mil líderes de classe são eleitos nas escolas estaduais

Foto: acervo pessoal
Mais de 35 mil líderes e vice-líderes de classe foram eleitos para representar os colegas junto à direção das escolas estaduais. O resultado da eleição, realizada de 10 a 13 de abril, foi divulgado, nesta terça-feira (18), pela Secretaria da Educação do Estado. O objetivo do pleito é promover o protagonismo estudantil, de modo que os eleitos possam contribuir para a gestão democrática e participativa nas unidades escolares, tendo como foco a representação dos interesses coletivos pela melhoria da Educação.
Para exercerem as funções de líder e vice-líderes com mais propriedade, os jovens participarão de formações nas unidades escolares nos meses de maio, julho e setembro. Na ocasião, eles serão instruídos sobre suas atribuições, demandas e atividades a serem realizadas. Dentre as atribuições do líder de classe, está a elaboração de um Plano de Ação, que contemple as necessidades da unidade escolar relativas à melhoria do processo de ensino e da aprendizagem.
Cabe aos líderes, também, contribuir para a manutenção do clima escolar colaborativo; estabelecer contato permanente com os demais líderes de classe para a troca de experiências e fazer proposições para melhorias do processo educativo. Além disso, eles também devem estimular o bom relacionamento da classe, através de diálogo e propor reuniões de interesse da classe.
Processo eleitoral
O processo eleitoral mobilizou estudantes em toda a Bahia. No Centro Territorial de Educação Profissional da Bacia do Paramirim (CETEP), localizado em Macaúbas, no Centro-Sul baiano (686 km de Salvador), a eleição envolveu muita arte e cidadania. Além de eleger seus representantes, os estudantes participaram de um concurso para premiar as três urnas eleitorais mais criativas de cada turno. O tema trabalhado na confecção das urnas foi “cidadania e juventude” e os prêmios foram doces e livros.
A estudante Maria Aparecida Costa, 16, foi eleita líder de classe de uma das turmas do curso técnico em Vendas e também ajudou a customizar a urna da turma. “Fiquei muito surpresa com o resultado e, agora, vou buscar melhorias para o CETEP e ajudar os meus colegas no que for preciso. Na nossa urna, colamos imagens de estudantes de diferentes épocas e escrevemos a mensagem ‘Independente da época, exerça a sua função’ para chamar a atenção da comunidade escolar”, revela.
O vice-diretor pedagógico do CETEP, Teotônio Ferreira, fala da importância dos líderes. “Eles impulsionam o trabalho que é desenvolvido, pois acompanham a gestão administrativa e pedagógica, participam de reuniões como as do Conselho de Classe e do Colegiado Escolar, nas quais compartilham ideias e opiniões”, destaca o gestor.
No Colégio Estadual Antônio Sérgio Carneiro, em Salvador, a participação dos estudantes na eleição também muito foi ativa. É o que conta a estudante e líder eleita, Sarajane Gonçalves dos Santos, do 8° ano. “É muito bom poder representar meus colegas, propor ideias que os motivem aos estudos e a terem uma boa convivência na escola”, afirma.
Keila Sousa, 17, do 2º ano do Centro Educacional Deocleciano Barbosa de Castro, localizado em Jacobina, no Centro Norte baiano (341 km de Salvador), já está pensando nas propostas que deverá colocar em prática. “Pretendo colaborar muito com os gestores da escola, participar de reuniões e das decisões a serem tomadas”, diz a estudante.

Educadores e gestores da rede estadual têm até dia 30 para participar do Formacenso

Professores, coordenadores pedagógicos e gestores das unidades escolares da rede estadual de ensino têm até o dia 30 de abril para participar do Censo da Formação dos Profissionais da Educação Básica (Formacenso). A iniciativa da Secretaria da Educação do Estado da Bahia, realizada pelo Instituto Anísio Teixeira (IAT), busca valorizar os profissionais da educação básica, promovendo uma consulta sobre o interesse de participação em processos de formação, com o objetivo de subsidiar a oferta de cursos a serem realizados pelo IAT. O formulário será online e está disponível no endereço formacenso.educacao.ba.gov.br.

De acordo com o diretor-geral do IAT, Severiano Alves, o Formacenso é o primeiro passo para a execução do Plano de Formação e Desenvolvimento dos Profissionais da Educação Básica, proposto pelo Instituto em articulação com a Superintendência de Políticas para a Educação Básica (Suped). “Precisamos ter um levantamento da real necessidade da rede estadual e, também, dos desejos dos educadores e gestores para o seu plano de carreira. Com a demanda dos profissionais nas mãos, podemos planejar e ofertar cursos de formação continuada”, afirmou Severiano.

A diretora de Formação e Experimentação Educacional, Daday Sales, ressaltou a importância do Formacenso para o processo formativo dos educadores. “Para as ofertas de formação continuada é preciso considerar a formação, a atuação e o interesse dos profissionais que serão atendidos. Com o Formacenso, teremos essas informações atualizadas, o que nos dará melhores condições de planejar a atualização da formação acadêmica, aperfeiçoamento profissional e pedagógico. A Secretaria, por meio do IAT, poderá, dessa forma, promover ofertas que vão ao encontro das expectativas e das necessidades de formação continuada de sua rede e são significativas para os seus profissionais, na perspectiva de assim melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem”, disse Daday.

Plano de Formação dos Profissionais da Educação
O Plano de Formação tem como objetivo contribuir com o cumprimento da meta 16 dos planos nacional e estadual de educação, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e o decreto Nº 8.752, que trata da Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica, garantindo a melhoria da qualidade da educação básica. O Plano de Formação e Desenvolvimento dos Profissionais da Educação Básica contempla três programas, interdependente e complementares: o de Formação e Desenvolvimento dos profissionais da educação, o de Tecnologias e Mídias Educacionais e o de Pesquisa Inovação Pedagógica, todos desenvolvidos pelo Instituto Anísio Teixeira.

Por meio do Programa de Educação em Tempo Integral, alunos aprendem a fazer horta em Ilhéus

horta do Fabio Araripe
O valor da plantação, da colheita, da lida com a terra e de comer produtos livres de agrotóxicos. Todas estas lições estão sendo passadas na horta do Colégio Estadual Professor Fábio Araripe Goulart, localizado em Ilhéus, na região Sul da Bahia. A iniciativa está envolvendo os estudantes em um projeto interdisciplinar, dentro do Programa de Educação em Tempo Integral (ProEi), da Secretaria da Educação do Estado, para que saibam cada etapa do plantio e, principalmente, aprendam a valorizar e a cuidar da terra.No momento, os alunos estão na fase do plantio das hortaliças e legumes e a ação já apresenta bons resultados. “É muito bacana participar do projeto da horta e tem sido muito bom cuidar do plantio, regar as hortaliças. Eu,que já morei na roça, estou me sentindo bem à vontade. Tento aplicar a experiência que adquiri em lidar com a terra e isto é uma satisfação muito grande. Além do que é uma atividade que nos ocupa quando não estamos em sala de aula”, relata o estudante Cleyton Silva do Rosário, 18 anos, 1º ano.A colega Josiely de Jesus Andrade, 15 anos, 1º ano, também fala com entusiasmo sobre a experiência. “Estou achando muito legal, porque venho aprendendo muitas coisas diferentes do que vemos em sala de aula. Ao mesmo tempo, levo um pouco do que aprendo diariamente com a minha mãe, que cultiva várias hortas em casa. Ela me ensinou a fazer adubo orgânico através da compostagem (processo de reciclagem do lixo orgânico) e, com os professores, tenho aprendido a importância de cuidarmos da alimentação para termos mais qualidade de vida”.

O professor articulador do ProEi na região, Astor Vieira Jr., ressalta que o projeto da horta é uma ação que visa criar valores pedagógicos para que o estudante compreenda que o conhecimento se adquire de maneira integral e não fragmentado. “Para isto, trabalhamos de forma interdisciplinar em conjunto com as disciplinas do núcleo comum e as diversificadas, como Humanidade e Cidadania, Práticas Integradas, Linguagens Artísticas e Práticas Esportivas, a partir da pedagogia de projetos”, explica.

Ainda segundo o educador, a horta nasceu com o objetivo de ocupar uma área ociosa do colégio, o deixando atrativo e atraente para a comunidade escolar. “Esperamos que os alunos repliquem esta ação em suas casas para que possam ter uma alimentação saudável, livre de agrotóxicos, repensando, assim, as suas relações de consumo e melhorando a qualidade de vida”, pontua.horta do fabio Araripe 2

A professora das disciplinas de Geografia, Linguagens Artísticas e Humanidade e Cidadania, Rita Maria Matos, conta que participam cerca de 60 estudantes das duas turmas de 1º ano do Ensino Médio de Educação de Tempo Integral. “Dividimos em oito grupos e cada turma é responsável por uma lera (sulco que o arado abre na terra, e no qual se lança a semente). A colheita será direcionada para a alimentação escolar e para uma feira de orgânicos que queremos fazer para integrar a escola com a comunidade. Além disso, faremos uma exposição de fotos feitas durante a realização das etapas do projeto”, afirma.

Governo do Estado oferece 2,5 mil vagas de estágio para universitários

 O governador Rui Costa anunciou que 2.535 vagas de estágio estão disponíveis para universitários de instituições federais e particulares sediadas na Bahia. Os estagiários

2903_Oficinas pedagógicas_Col. Est. Prof. Fábio Araripe 8

selecionados vão atuar na administração pública estadual, por meio do Programa Partiu Estágio. Eles receberão uma bolsa-auxílio de R$ 455 mensais e transporte.

O investimento total do Governo do Estado na iniciativa será em torno de R$ 18 milhões anuais. Para participar, os estudantes devem se cadastrar no site do Partiu Estágio, desta terça-feira (11), quando o site entra no ar, até o dia 2 de maio. É necessário ter idade mínima de 16 anos, estar regularmente matriculado em um curso universitário na modalidade presencial e ter concluído pelo menos 50% da graduação.
“A partir da meia-noite desta terça-feira o estudante já poderá entrar no site do programa e se cadastrar. Depois de 2 de maio o aluno receberá uma mensagem informando onde ele deve se apresentar. Essa é mais uma oportunidade para a juventude da Bahia. Partiu estágio para você que deseja uma experiência profissional”, comentou o governador.
Terão prioridade no preenchimento das vagas os estudantes inscritos no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais) e, em seguida, aqueles que tenham estudado todo o ensino médio em escola pública ou com bolsa integral na rede privada. Na hipótese de empate entre candidatos, será realizado sorteio eletrônico para a escolha. As vagas não preenchidas pelos universitários que são prioritários serão sorteadas entre os demais cadastrados.
No momento do cadastro, os alunos poderão escolher até três opções de órgão ou entidade do poder executivo estadual que possuem interesse de estagiar. Para isso, devem levar consideração o quadro de vagas constante no anexo do Edital, além de observar o curso e o município onde estudam. Caso não seja possível a alocação do candidato em nenhuma das opções indicadas, a Secretaria da Administração (Saeb) fará sorteio, com base nas vagas não preenchidas.
Convocação
O estudante que for selecionado para a vaga de estágio receberá e-mail automático do sistema, informando o período em que deverá comparecer ao órgão ou entidade pública estadual. O universitário convocado deverá se apresentar no local onde vai desenvolver o estágio no prazo de até dez dias úteis, a contar da data de recebimento do e-mail.
As regras do Programa de Estágio do Governo e a relação de documentos exigidos no Edital podem ser conferidos neste link. Os estágios terão duração de um ano, sem possibilidade de prorrogação. O pagamento das bolsas será feito diretamente ao próprio estudante, em conta bancária.