educacao.ba.gov.br

Jornada Pedagógica reforça planejamento coletivo para o fortalecimento das escolas estaduais

06.07_Jornada Pedagógica_NTE 8_15Depois de três dias de discussões em torno da Jornada Pedagógica 2018, os professores, coordenadores e gestores das unidades escolares da rede estadual de ensino já vivem a expectativa do início das aulas no próximo dia 19 de fevereiro. Em Salvador e no interior, os educadores participaram ativamente da Jornada Pedagógica, de segunda até esta quarta-feira (7), e realizaram o planejamento do ano letivo a partir do tema: “Aprendizagens e Territórios: Novos Rumos para a Educação do Século 21”. No mês de julho, uma nova etapa da Jornada Pedagógica acontecerá para avaliação, monitoramento e novas construções coletivas direcionadas ao segundo semestre.

O secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro, que participou da jornada, ressalta que o envolvimento dos professores, coordenadores pedagógicos, dos gestores, técnicos e até das famílias na Jornada Pedagógica em todas as escolas da rede estadual reflete o novo momento da Educação na Bahia. “Estamos fortalecendo o eixo pedagógico das escolas e ofertando novos cursos, inclusive de curta duração, além de um novo perfil de oferta da Educação Profissional e Tecnológica, com o tempo reduzido de quatro para três anos. São ações para dinamizar o ensino e tornar mais atrativo o aprendizado dos estudantes, inclusive potencializando os projetos inovadores de iniciação científica, o ensino das artes com o teatro, música, audiovisual, artes visuais e o empreendedorismo”, afirmou, ao destacar que “esta mobilização da Jornada Pedagógica fortalece o projeto educacional de cada unidade escolar e prepara o ano letivo, considerando, também, o que foi realizado em 2017, sendo que teremos a segunda etapa da Jornada Pedagógica no meio do ano, prática que implantamos no ano passado”, destaca Pinheiro.

 


Engajamento

Os educadores também fazem uma avaliação da Jornada Pedagógica. O diretor Ramilton Cordeiro, do Colégio Estadual Raphael Serravalle, em Salvador, destaca a participação integral dos professores da unidade. “Tivemos a presença de praticamente todos os nossos educadores e isto dinamizou as discussões que traçamos para a construção de um modelo pedagógico mais leve e mais produtivo. Foi unânime a opinião de que esta foi a jornada mais interessante e participativa de todos os tempos. Tivemos apresentações culturais dos nossos alunos. Foi um sucesso. Estamos prontos para dar início ao novo ano letivo”.

O professor de Língua Francesa da mesma unidade escolar, Lázaro de Melo, ressalta a importância da atualização do Plano Político Pedagógico (PPP) do Serravalle: “É muito importante programarmos o ano letivo, o que vai ser feito durante o percurso. Tivemos discussões importantes em relação ao eixo norteador do nosso colégio, que se refere à uma educação inclusiva com foco na aprendizagem para o fortalecimento social”.

No Colégio Estadual Severino Vieira, também na capital baiana, o clima nos três dias de jornada foi de total participação dos educadores. “Tivemos uma presença maciça dos professores e coordenadores pedagógicos, e isto significa que estavam todos muito comprometidos com a jornada. Também avaliamos os projetos que deram certo em 2017, como o TransformaÊ, da Secretaria da Educação. Outro ponto importante foi a discussão sobre a importância da presença da família na escola para um melhor rendimento do aluno, que é o carro-chefe do nosso trabalho”.

A professora Cristina Menezes, do Colégio Estadual Presidente Médici, em Itabuna, também avalia a jornada. “Foi muito positiva, pois acolheu os vários seguimentos que participam da escola, o que permitiu uma discussão coletiva com vista no planejamento e definição de ações que vão contribuir para um melhor aprendizado dos estudantes”. O diretor do NTE 26 (Salvador), Luiz Henrique Peixoto, que participou das discussões em algumas unidades, como o Colégio Estadual da Bahia (Central) e o Severino Vieira, faz um balanço: “As discussões travadas sobre a contextualização territorial da aprendizagem foram as mais importantes. Destaque também para o diálogo sobre a qualidade da educação no século 21, a partir da inclusão e do respeito à diversidade. Outro debate importante foi sobre medidas para potencializar ainda mais os projetos estruturantes da Secretaria, a exemplo do FACE (Festival Anual da Canção Estudantil), TAL (Tempo de Arte Literária) e AVE (Artes Visuais Estudantis)”.